sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

O último adeus...

Veja bem, AVISO o texto é gigante e o que pode ser o começo pode ser o inicio de um fim.

Ja vivi diversas experiências nessa vida que algumas delas me ensinaram a viver como se fosse momento único. Hoje eu demorei, mas aprendi que não quero que nenhuma história volte. E que lembranças são apenas lembranças. 
Aquele passado que continue lá, não há formas de construir um presente com algo que já passou. É dificil compreender isso quando você está cego pelo momento, mas não é tão dificil de enxergar quando está se desgastando. Vou contar uma história de um romance meu.

Essa foi a música do primeiro beijo!

Eu vivi um romance muito bonito logo quando cheguei em São Paulo. Eu tinha acabado de terminar uns anos com meu primeiro namoro virtual (sim, foi o único que fiz questão de não apagar os arquivos existentes aqui nesse blog). Um dia eu escrevo sobre esse romance, mas hoje vou falar desse que foi logo após. 
Eu estava naquela vibe de curtir a vida, faculdade, gente nova, cidade nova, tudo novo. E ele estava ali, jogando todo o charme possível pra mim e eu a idiotinha inocente não acreditava que aquele homem cabeludo, de 1,90, lindo, estava dando em cima da gordinha nerd. 
Eu enfrentava mil coisas além da cidade nova. Enfrentava a faculdade nova, a república nova (4homens e eu única mulher), emprego novo (trabalho escravo com militares) e o mais trágico, eu só dormia 4h por dia (sem contar a constante falta de dinheiro). 
Foi um ano tão conturbado pra mim que ate hoje eu não sei como sobrevivi. Mas diante disso tudo, ele esta ali, o tempo todo comigo. E não demorou muito para que eu me apaixonasse perdidamente por ele. 
Foram longos meses de uma ficada constante sob alegamentos de que não queria nada sério comigo devido aos planos de ir embora do Brasil e não queria me fazer sofrer por isso. 
A idiota aqui acreditava em cada palavra, cada gesto em cada beijo. Até o momento de descobrir que ele começou a namorar com outra. O pior veio saber que eu sempre fui a amante, mas eu estava apaixonada, não ligava.

As coisas em São Paulo começaram a dar tudo errado pra mim, eu terminei a faculdade no maior sufoco, sai da república porque não aguentava mais, fui demitida do meu emprego porque um dos militares queria dar emprego pro sobrinho dele e eu recém formada com pouca experiência no currículo, não conseguia dar conta do aluguel de um mísero quarto que ficava nos fundos de uma casa. E eu não queria contar nada pra ninguém. Mas não teve jeito, acabei voltando pra Brasília.
Mas antes de voltar eu tive milhares de brigas com esse romance, foram tantas idas e vindas que quando organizei uma festinha feat bar de despedida com meus amigos, ele resolveu aparecer e disse que queria se despedir de mim.
Foi uma noite incrível, de eu passar tão mal mas ele estava ali, cuidando (a grosso modo) de mim. Eu não queria contar nada pra ele, eu tinha vontade de bater nele e falar um monte de verdades. Mas só consegui dar tchau e não olhar mais pra trás. E voltei pra Brasília...

A eterna música de roedeira!

Longos 6 anos se passaram desde esse dia e eu nunca mais falei com ele ou troquei mensagens com ele. A gente era do mesmo grupo de amigos virtuais de uma rádio de música japonesa e por uma eventual casualidade ele começou a namorar uma das meninas do grupo também. 
Eu naquele momento já tinha chegado a conclusão de que o problema era comigo, afinal a única pergunta que sempre me fazia era "por que ele namora com todas menos comigo?". Nada fazia sentido pra mim, eu comecei a me sentir tão mal por toda situação que passei que preferi me afastar de vez dele.

Porém nada é como a gente quer...

A namorada dele naquela época, do mesmo grupo que eu frequentava, decidiu se aproximar de mim (porque naquele grupo eu era a "ex" dele). Eu como sempre fui de boa com todos, deixei a aproximação acontecer. Afinal, o meu problema era com ele, não com ela. E assim minha amizade com a namorada dele cresceu. Cresceu a tão ponto dela começar a desabafar as coisas do relacionamento dela com ele. E as coisas estavam tão semelhantes, que eu queria dizer a ela "ele é um fdp e está te traindo. Sai fora". Mas eu não podia fazer isso, eu não podia estragar o momento deles. Eu só escutava e tentava ser neutra da melhor forma possível. Até decidir me afastar dela pois eu já estava surtando com mais essa situação.

Anos depois eles terminaram e ela veio me falar que descobriu mil coisas dele e aquele bafafá todo. Eu fiquei feliz de saber que ela deu um ponto final naquilo e que hoje está super bem com alguém que a ama de verdade :) (e sim, continuamos amigas!) 

E ai nesse meio tempo todo de 6 anos, eu casei, descasei e voltei pra São Paulo. (Outro dia entro nesses detalhes também).

A música do reencontro.

Eu tinha terminado meu casamento e me envolvi logo após com um ex-ficante de Brasília que só fez merda comigo (cujo esse eu não quero e nem vou entrar em detalhes, devido ao grande baque emocional que ele me fez - vulgo gaslighting). 
Então cá estava em São Paulo, completamente sozinha, com depressão, vendo minha vida desmoronar mais uma vez e sem esperança de nada. Foi quando mandei mensagem pra ele...6 anos sem contato, 6 anos sem saber nada da vida dele e nesse dia foram 5h seguidas de muita conversa, risadas e um reecontro marcado.

No dia do reencontro eu estava nervosa, minha auto-estima completamente baixa e zuada, passei 3h tentando decidir que roupa vestir e uma sensação de "eu não deveria estar fazendo isso". Pensei mil vezes em ficar em casa e sumir e não falar mais com ele, até eu criar coragem e fui.
Quando o vi do outro lado da estação, meu coração acelerou TANTO, que eu não fazia ideia do quanto aquele homem ainda me conquistava. Eu senti ele nervoso também e meio timido comigo. Mas após uns copos de cerveja, de muita risada, de atualizações da vida do outro ele me solta um "Eu te amo".
Fiquei em estado de choque, obviamente disfarcei o máximo que pude, dei risada e mudei de assunto. Não satisfeito com minha reação ele continua com a historia do "eu te amo". Me pediu desculpas por tudo que fez comigo no passado, se arrependeu de ter sido um babaca comigo e prometeu ser o melhor namorado da vida comigo.
Esperei 6 anos pra escutar esse pedido de namoro, cujo eu não aceitei na mesma hora. A resposta foi tão automática que eu não consegui sentir nada. 
Vamos aos detalhes, eu estava destruída por dentro, sem auto-estima, só precisava ser amada (o que ele fez muito bem), maaaas naquele exato momento, eu era (MAIS UMA VEZ), a fucking AMANTE!
Eu fui tão cretina quanto ele, detesto traição, mas eu tava tão mal, tão mal, que ele conseguiu me tirar do fundo do poço em apenas 3 meses.
E quando eu já estava recuperada eu fiquei lucida do momento e falei pra ele seguir a vida dele sem a minha.
Isso foi fevereiro desse ano agora 2015, e até então eu estava desde fevereiro sem contato nenhum com ele, até ele voltar a mandar mensagem. Mas ai já não éramos tão frenéticos como antes, mas ainda sim, de certa forma eu ainda me sentia bem com ele. Até que umas semanas ele volta todo romantico, querendo me ver e tal, até eu descobrir que ele estava se sentindo mal pelo término do namoro dele e péssimo por ter descoberto uma possível traição dela.
Nesse exato momento (mesmo sob efeito de alcool), apareceu meu momento de lucidez. Ele agora sentiu o gosto de uma traição e eu estava ali servindo mais vez o papel de alimentar o ego dele e satisfazer as vontades dele.
Não pensei duas vezes em falar pra ele seguir a vida dele e me esquecer de vez. Cansei de sofrer por ele, cansei de ser sempre a amante.

HOJE EU VOU ALÉÉÉM, VOU ME LIBERTAAR!!
HOJE EU VOU ALÉM DO QUE VOCÊ PODE ME DAR!!!!


Nossa história já foi, uma história cheia de erros, desilusões e muitos problemas. Aprendi muito com ele, aprendi a me amar.
Obrigada por tudo, obrigada por me amar. Eu sei que te amei, mas você vai continuar sem saber o real significado do amor.



Postar um comentário